Visita 2009

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Passo a passo - futon

PASSO A PASSO DO FUTTON


Bem como havia prometido o post de como fazer um futton.
É bem simples.
Primeiro você costura uma almofada do tamanho que desejar. Aqui eu peguei uma micro almofadinha da Sofia só pra mostrar. Você monta toda a almofada e coloca o enchimento, eu costumo usar a fibra siliconada é um pouco mais cara do que o acrilon, mais não deforma e fica uma almofada muito fofa.
Depois você marca os "furinhos " aí vai depender do tamanho da almofada, lembre-se que eles terão que ser simetricos, ou seja mesma medida dos dois lados.
Então você atravessa a agulha com a linha (aquela de pipa sabe? bem forte) se você não quiser que a linha apareça use linha branca.

E volte com a agulha para dar um nozinho bem forte.




Esse nozinho você vai fazer em toda a almofada.



Depois é só cortar o excesso, ou deixar um pedacinho aparecendo que também fica uma gracinha!


Moldes pinguim

http://www.purlbee.com/storage/penguin_costume_templateREV.pdf

Torta Rápida De Limão

Ingredientes:

1 pacote de biscoito maisena
¹/² tablete de manteiga
2 latas de leite condensado
2 caixinhas de creme de leite
1 copo de suco de limão
1 envelope de gelatina incolor sem sabor
1 xícara (chá) de água
Raspas de limão a gosto

Modo de preparo:

Massa:

1- Triture o biscoito em liquidificador até obter uma farofa fina e transfira para uma tigela
2- Derreta a manteiga, despeje sobre a farofa e misture bem
3- Forre o fundo e a lateral de uma fôrma redonda de fundo falso com a massa
4- Leve ao forno preaquecido, por 15 minutos, e reserve

Recheio:

1- Dissolva a gelatina na xícara com água e deixe por 5 minutos
2- A seguir, coloque em banho-maria para dissolver totalmente
3- Retire do fogo. Coloque todos os ingredientes no liquidificador, exceto as raspas de limão, e bata muito bem
4- Despeje essa mistura na fôrma com a massa já assada
5- Polvilhe com a raspa de limão. Leve à geladeira para endurecer levemente, por cerca de 2 horas

http://www.cyberreceitas.com.br/2012/02/16/torta-rapida-de-limao/

Canapés de Batata

CANAPÉS DE BATATAS

INGREDIENTES

4 BATATAS COZIDAS E CORTADAS EM RODELAS NÃO MUITO FINAS

4 TOMATES CORTADOS EM QUATRO

4 FATIAS DE PRESUNTO CORTADAS EM QUATRO

4 FATIAS DE MUZARELLA CORTADAS EM QUATRO

AZEITONAS FATIADAS

SAL, ORÉGANO , PIMENTA DO REINO OU CALABRESA

QUEIJO RALADO

MODO DE PREPARO

COLOCAR NUMA ASSADEIRA OS TOMATES TEMPERADOS COM SAL , AZEITE, PIMENTA E ORÉGANO E LEVAR AO FORNO PARA ASSAR, DEPOIS DE ALGUNS MINUTOS ACHATÁ-LOS COM UMA COLHER OU ESCUMADEIRA. NÃO DEIXAR SECAR MUITO.

COLOCAR EM CIMA DA RODELA DE BATATA, UM PEDAÇO DO PRESUNTO, O TOMATE ASSADO, O PEDAÇO DA MUZARELLA E AZEITONAS, SALPICAR COM QUEIJO RALADO, REGAR COM AZEITE E LEVAR AO FORNO PARA GRATINAR.

SE SOBRAREM TOMATES ASSADOS ( OU FAÇA MAIS) , AMASSE-OS COM UM GARFO GROSSEIRAMENTE RETEMPERE E REGUE COM MAIS AZEITE. É ÓTIMO PARA PÔR EM CIMA DA CARNE GRELHADA OU NUMA BRUSCHETA.

OUTRA RECEITA FÁCIL E SUPER PRÁTICA. AQUI EM CASA NÓS ESTÁVAMOS COM UNS TOMATES MAIS AMADURECIDOS NA GELADEIRA E RESOLVEMOS CRIAR ESTE PRATO SIMPLES PORÉM SABOROSO. O GRANDE DIFERENCIAL É O SABOR DO TOMATE ASSADO COM UM LEVE GOSTO DE DEFUMADO. NEM PRECISO FALAR QUE O TOMATE QUE SOBROU NÓS PASSAMOS NO PÃOZINHO…HAHA…FICA A DICA DE UM PRATO RÁPIDO PARA FAZER NO FERIADO E PODER APROVEITAR MAIS AO LADO DA FAMÍLIA OU DOS AMIGOS.

SE PREFERIR PODE SUBSTITUIR O PRESUNTO PELO PEITO DE PERU OU OUTRO FRIO DE SUA PREFERÊNCIA.

http://menuaquarela.wordpress.com/2012/02/14/canapes-de-batata/

Mistério do túmulo do último imperador inca a um passo de ser desvendado

http://br.noticias.yahoo.com/mist%C3%A9rio-t%C3%BAmulo-%C3%BAltimo-imperador-inca-passo-ser-desvendado-181020618.html

Muito procurado, mas nunca descoberto, o túmulo de Atahualpa, o último imperador inca, mantém-se no centro de muitas especulações ao longo dos anos; mas, desta vez, o enigma parece ter sido desvendado no Equador, bem no meio dos Andes.

Leia também:
Bolívia busca financiamento para restaurar fortaleza de Inkataca
Serviço de trens para Machu Picchu é reaberto
Trens para Machu Picchu são limitados diante de perigo de cheia de rio


Fortalezas, palácios e santuários do antigo império pré-colombiano se espalham na região de Sigchos, a 70 km ao sul de Quito, no sopé ocidental da cordilheira, e seus segredos ainda são numerosos.

A historiadora equatoriana Tamara Estupiñan acha que desvendou um desses mistérios, localizando, em junho de 2010, após dez anos de trabalhos, um "sítio arqueológico inca", não muito longe do legendário vulcão Cotopaxi.

Para esta pesquisadora, do Instituto francês de Estudos Andinos (Ifea), ninguém duvida que neste amontoado de pedras, junto às margens do rio Machay, no território Malqui, se esconda a última morada de Atahualpa.

"Machay significa gruta, santuário e Malqui, corpo ou múmia de um ancestral, no idioma do povo histórico. Então, Malqui Machay significaria o local onde foi enterrado seu corpo", explica ela à AFP, recorrendo à linguística.

A hipótese toma cada vez mais corpo, com a descoberta de um monumento arquitetural composto de várias salas retangulares, construído com pedras talhadas e polidas.

A entrada da cidade desemboca num "ushno", espécie de pirâmide truncada onde ficaria o trono do imperador, perto de uma pequena cascata que garantiria o "banho do inca".

Último Tupac, ou imperador do império inca, domínio que se espalhou pela Colômbia atual até o Chile e a Argentina, Atahualpa foi executado pelos colonizadores espanhóis em 1533, mas sua múmia nunca foi encontrada.

O terreno, antes sagrado, pertence atualmente a um criador de galos de briga, uma tradição local. E alguns gostam de destacar as coincidências da história. Conta a lenda, por exemplo, que um galo se pôs a cantar após a morte de Atahualpa.

"Estado de conservação fenomenal"

As autoridades parecem também acreditar na tese da descoberta do túmulo do último rei dos incas, pelo que declararam o local zona protegida de escavações futuras.

O diretor do Ifea, Georges Lomné, compartilha a certeza da arqueóloga equatoriana, lembrando que o território fazia parte do "domínio pessoal" de Atahualpa. Quanto à sua múmia, "é possível que tenha passado por aí ou tenha permanecido um tempo no santuário", disse ele à AFP.

"É uma descoberta capital na história da arqueologia do Equador e da região", afirma à AFP a ministra equatoriana do Patrimônio, Maria Fernanda Espinosa.

A arqueóloga americana Tamara Brau, da Universidade Wayne State no Michigan, que participa também das pesquisas de Sigchos, parece também convencida. O sítio apresenta "um estado de conservação fenomenal, além de possuir uma importância científica considerável", disse ela.

No local, apenas o proprietário da criação, Francisco Moncayo, mostra-se ainda cético, apesar do entusiasmo geral.

"Tamara também recorre à linguística, frisando que Malqui é a múmia do inca e que Machay é um local de repouso. E como a múmia de Atahualpa nunca apareceu, pode ser que ainda esteja lá ... ou não", insinua.

As descobertas despertam, em todo o caso, o interesse da comunidade científica internacional. Também interessado, o Instituto nacional do Patrimônio Cultural do Equador se prepara para financiar novos estudos, a partir deste ano. Estes deverão, enfim, revelar, o que esconde verdadeiramente Malqui-Machay.

As Crônicas de Nárnia: Um olhar além da fantasia

Há livros que devem ser lidos em qualquer idade por mais que haja rotulações e classificações. Este é o caso de As Crônicas de Nárnia, originalmente escrito para o público infanto-juvenil e que hoje atrai um séquito de fãs de diferentes idades, e se transformou em um dos ícones da literatura pop. Eu ainda não o tinha lido, mas nos últimos dias mergulhei profundamente em suas sete estórias que compõe As Crônicas de Nárnia, e vou tentar abordar da minha forma de compreender o livro, e buscando falar o que talvez não se tenha sido falado, o que aqui entre nós é uma tarefa um tanto complicada.C. S. Lewis autor de As Crônicas de Nárnia está no panteão dos grandes mestres da fantasia, e não só daquelas destinadas a crianças, pois nos livros ele avança em questões bem mais profundas. E todo o sucesso do livro sem dúvida é seu grande crédito, pois em primeiro lugar ele conseguiu construir um mundo fantástico, narrando as aventuras com incrível simplicidade de um bom contador de histórias, em que o leitor mergulha de fato nas tramas. Em segundo lugar está a criatividade em reunir numa série diversas mitologias e lendas arraigadas em nossa cultura popular, e ainda assim as tornar de certo modo exclusivas de Nárnia.Mas como analisar este sucesso? Para mim é simples, estamos sempre em busca do inexplicável, da fantasia que por instantes nos tire da dureza de nosso próprio mundo. No final das contas cada um de nós deseja, ou já desejou atravessar por um guarda-roupa de se deparar com um mundo diferente, que nos entorpeça por instantes e nos alce do anonimato para uma posição destacada, em que algo, ou alguma coisa dependa de nós. Como o Grande Rei Pedro, todo mundo deseja por algum momento mudar de fato a história [e sinceramente aqueles que nunca desejaram são almas tristes e de futuro incerto], sair de uma posição anônima e “governar” um grande reino. Lewis impregna em seu leitor a ânsia por aventura, e é justamente o espírito aventureiro dos que os impulsionam a descobertas e conquistas tão fantásticas como Nárnia.E assimilar o enredo fica ainda mais familiar, pois nosso mundo lembra muito ao mundo descoberto por Digory e Polly, em sua criação ao som da voz de um leão, e até mesmo ao seu fim, e aqui cabe um porém pois sempre haverá um porém: Em A última batalha, o encerramento da série mescla de vez os dois mundos, e nunca Aslam mostrou-se tanto como Deus, na leitura mais adulta de todas as crônicas, tensa e dramática, e que ao final, mesmo não querendo você pensa na bíblia, pensa em Lost, e em tudo aquilo que intimamente os que tem fé procuram… Ou seja, muita filosofia, para quem talvez procurasse apenas aventura e fantasia.Mas voltando aos méritos, que são extremamente superiores às críticas, ao Longo de As Crônicas de Nárnia é possível compreender várias lições que no podem ser útil para a convivência em sociedade. Mostra que aparências são apenas aparências, e que mesmo um rato pode ser o mais valente dos guerreiros. Revela o poder da redenção, e que um traidor possa ser um dia um rei justo e sábio. Somando-se a isso [e aqui um grande exemplo para leitores em formação] a premissa de um velho ditado chinês “se queres que teu filho seja um bom homem, deixe-lhe passar um pouco de frio, e de fome”, pois as crianças quando entram em Nárnia passam por frio e fome, mas engrandecem-se como homens, o que fica evidente com o mimado e insuportável Eustáquio, que depois de cruzar os mares com “O Peregrino da Alvorada” torna-se alguém bem melhor.A essa altura você deve estar pensando o quanto estou “viajando na maionese”, ou tentando mistificar uma obra de literatura infanto-juvenil. Mas esta é a grande virtude na minha concepção, pois é uma leitura rica e adulta, que até pode enganar pela presença de jovens reis, sátiros, faunos e outras criaturas mágicas, e por sua linguagem simples e direta. No entanto em cada um dos sete livros há muita coisa oculta no enredo, que vão do amadurecimento dos personagens, a causas e consequências de suas ações, que acabam ditando os milhares de anos do reino de Nárnia. Só mesmo uma pena que no fim de tudo Lewis reduza as crônicas a algo tão terreno [e tão Lost – ou vice-versa], como nossas esperanças pelo Éden, pois prefiro ater-me a uma Nárnia muito maior que isso, de fato imortal, e que ainda possamos encontrar algum guarda-roupa mágico por aí!

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Babá ao rum

Se eu tivesse que aprender a fazer somente uma sobremesa com certeza seria esta… Babá ao rum. Não é complicada, é novidade para muita gente e ainda é uma das preferidas da Cris.

Já tinha tentando uma receita diferente, mas esta ficou bem melhor. Tomei como base a receita da Silvia Percussi que foi publicada na Revista Gosto de Fevereiro 2011, mas mudei a quantidade de algumas coisas. Não contei quantos bolinhos consegui fazer, mas acho que foi uma dúzia e meia…


Ingredientes
  • 2 tabletes de fermento fresco (30g);
  • 440g de farinha de trigo;
  • 60g de açúcar;
  • Uma pitada de sal;
  • 6 ovos inteiros;
  • 150g de manteiga sem sal derretida;
  • 2 colheres de sopa de água;
  • 850ml de água e 150ml de rum;
  • 400g de açúcar para calda;
  • Casca de 1 limão siciliano.
Etapas
  • Misture o fermento, com um pouco de farinha, a pitada de sal, um pouco de açúcar e as 2 colheres de água;
  • Deixe crescer um pouco e em seguida acrescente o restante da farinha, do açúcar, os 6 ovos inteiros e a manteiga. O ideal é colocar um de cada vez e trabalhando a massa para que fique bem homogênea e elástica;
  • Cubra a massa e deixe crescer até que dobre o volume;
  • Encha as forminhas de massa (usei formas de alumínio e silicone para cupcake) com apenas 1/3 do volume. Fica mais fácil trabalhar com 2 colheres para encher as forminhas, pois a massa é bem elástica;
  • Deixe a massa crescer novamente até que preencha a forma por completo e até sai um pouco ficando no formato de um cogumelo;

  • Leve ao forno pré-aquecido a 180º graus, até que fiquem assados com a superfície dourada. A receita original pedia 20 minutos de forno, mas com pouco mais de 10 achei que iria queimar se não tirasse.
  • Para a calda, leve a água, o rum, o açúcar e a casca de limão ao fogo médio. Mexa um pouco até que o açúcar tenha se dissolvido na água.
  • Deixe ferver por cerca de 15 à 20 minutos. Retire do fogo, descarte a casca do limão e deixe esfriar um pouco;
  • Faça furos com o garfo nas babás para que a calda penetre deixando o interior bem molhado;
  • Espere esfriar por completo e desenforme. Você pode servir assim mesmo ou ainda com um pouco de chantilly por cima.
Detalhes
  • Ficar banhando as babás com a calda esperando que fiquem úmidas por dentro através dos pequenos furos do garfo é um verdadeiro exercício de paciência. Acabei cortando um pouco da superfície, com cuidado para tampar novamente, como se fosse rechear o bolinho e com uma colher garanti que o interior ficasse bem molhado.
  • Desenformar as babás somente depois de banhá-las é uma grande dica. Fica mais fácil e mais limpo… pois a calda gruda bastante quando esfria.
  • Logo antes de servir, coloque um pouco de rum em cima da babá. Fica bem mais gostoso…
  • http://vivendoparacomer.blogspot.com/2011/08/baba-ao-rum.html

Torta De Brigadeiro

360g de biscoito de leite (2 pacotes)
80 g e 2 colheres (sopa) de margarina
5 colheres (sopa) de chocolate em pó
2 latas de leite condensado
1 xícara (chá) de leite
1 lata de creme de leite sem soro

Modo de preparo:

1- Triture os biscoitos e misture 80 g de margarina até formar uma farofa.
2- Forre o fundo e as laterais de uma forma de 24 cm de diâmetro com aro removível.
3- Asse no forno, preaquecido a 200 ºC, durante 10 minutos. Deixe esfriar e reserve.
4- Prepare o recheio: em uma panela, misture o restante da margarina, o chocolate em pó, o leite condensado e o leite.
5- Leve ao fogo, mexendo sem parar até desgrudar do fundo da panela.
6- Retire do fogo e misture bem o creme de leite
7- Deixe esfriar e coloque sobre a massa.
8- Leve à geladeira até firmar.
9- Decore com bolinhas de chocolate (Opcional)

http://www.cyberreceitas.com.br/2012/02/16/torta-de-brigadeiro/

Fontes em Dubai

Vídeo - vela de laranja

Big Brother e sua origem

Todos conhecem e já devem ter assistido ao menos uma vez na vida o Reality Show “Big Brother” onde algumas pessoas passam confinadas em uma casa sem contato com o mundo exterior. Monitoradas através de câmeras onde as imagens são transmitidas para todo o país.

Esse programa já é um sucesso no mundo todo, a mais de 10 anos, mas você sabe por que o programa se chama “Big Brother”?

Pois bem, em 1949 o escritor George Orwell publicou um livro chamado “1984” com uma história que se passa na Oceania, um país dominado pelo regime ditatorial, onde o governo tortura e elimina pessoas, pratica lavagem cerebral e monitora constantemente a vida de todos os seus habitantes. Ninguém conhece o nome ou o rosto do ditador da Oceania, sendo conhecido apenas como “Big Brother” (irmão mais velho). O ditador é conhecido por esse nome porque ele cuida de todos e só quer o bem das pessoas, seus “irmãos mais novos”. Seu slogan é “Big Brother is Watching You” (O irmão mais velho está observando você).

Daí então, em 1997 John de Mol, um executivo da TV holandesa, sócio da empresa Endemol, teve a idéia de criar um Reality Show onde pessoas comuns seriam selecionadas para conviverem juntas dentro de uma mesma casa, vigiadas por câmeras, 24 horas por dia, sua primeira temporada foi ao ar em 1999, no ano seguinte mais países estavam produzindo suas versões locais do “Big Brother”. No Brasil sua primeira edição foi em 2002, hoje está ao ar em quase 70 países.

O “Big Brother” foi um dos primeiros programas de Reality Show e muitos outros seguiram o mesmo caminho, hoje existem infinitos programas nessa categoria.

O interessante é que em alguns países ditatoriais esses programas foram a primeira vez que a população, em larga escala, teve autorização para votar em algo e manifestar opiniões, uma vitória para a democracia e a liberdade de expressão.

Fonte: Wikipedia 1 2 3

Comunismo Smurf ou; por um mundo mais Smurfette

http://www.mondovazio.com.br/2011/08/comunismo-smurf-ou-por-um-mundo-mais-smurfette/
Publicado na: ter, nov 22nd, 2011

Lasanha 4 Queijos Com Frango



Ingredientes

Massa para lasanha pré-cozida
1 peito de frango
6 tomates picados ou extrato de tomate
1 cebola picadinha
Ricota
250g catupiry cremoso
Queijo Mussarela
50g de parmesão
1 pouco de leite
Sal
Manjericão
Pimenta-do-reino
Azeite

Modo de preparo:

1-Cozinhe o frango
2-Desfie-o e reserve
3-Refogue a cebola no azeite, coloque o frango e refogue
4-Adicione tomates, sal, manjericão, a pimenta
5-Deixe o molho engrossar
6-Desmanche a ricota com as mãos, como se fosse ralada

Montagem da lasanha:

1-Coloque um pouco do molho e distribua em cima a massa da lasanha
2-Coloque a ricota e mussarela
3-Novamente a massa da lasanha e molho por cima
4-Novamente massa, ricota e mussarela
5-Caso a assadeira seja grande, repita até encher
6-Coloque azeite em cima da mussarela e molhe com um pouco de leite toda a lasanha, em especial a beirada da assadeira
7-Cubra com papel alumínio tomando cuidado para não grudar no queijo
8-Deixe no forno pré-aquecido por 30 minutos a 180ºC
8-Retire o papel aluminio, cubra com o queijo parmesão e volte ao forno em fogo alto até que fique bem gratinado

http://www.cyberreceitas.com.br/2011/11/22/lasanha-4-queijos-com-frango/